Tag: Ricardo

Já viu o nude da Anne Hathaway?

Para mim, as mulheres mais sexys do mundo são: Cleo Pires, Rihanna, Anne Hathaway e Scarlett Johansson. E também a Adriana Lima. E também a Stoya (atriz pornô). E também… Ah, são várias! Digo isso porque, na semana passada, uma delas – a Anne Hathaway – teve fotos íntimas hackeadas. E adivinha só se eu vi? Errou feio se respondeu que sim.


Gratidão é essencial, mas já experimentou soltar um palavrão?

“Reclame menos e agradeça mais”, um amigo que adora dar uma de guru me aconselhou um dia, depois de me ouvir metendo o cacete em tudo, igualzinho àqueles velhos ranzinzas que xingam até a chuva, coitada, que às vezes vem do nada.


A verdade sobre a vida

Acordei decidido a escrever um texto doce feito quindim, desses que causam tempestades de curtidas e coraçõezinhos e fazem a vida, ao menos por alguns parágrafos, ficar mais parecida com aquela dos contos de fada. Logo desisti, porém. Mesmo sabendo que a realidade, quando escancarada, quase nunca é compartilhada – o povo gosta mesmo é de happy ending, de preferência com chuva de arroz -, eu me sinto obrigado a expor a verdade, doa a quem doer: a vida muitas vezes é um limão difícil de engolir, de provocar caretas e encher os olhos de lágrimas.


Sexo não é sacanagem

Tenho postado contos eróticos do meu novo livro e o resultado tem me surpreendido. Mais do que isso: tem me feito refletir bastante. Explico: diferente dos contos sem sexo, os “safadônicos” quase não são compartilhados e recebem pouquíssimas interações. No entanto, ao analisar o número de visualizações dos textos adultos, notei que estão sendo lidos mais vezes do que os sem trepadas e lambidas íntimas. Curioso, né?


Vai dar certo, amor

Vai dar certo, amor. Vai sim! E se não der, também, e seu chefe cuspir aquelas afirmações cortantes que tanto machucam, respire fundo, conte até mil e lembre-se de que estarei à sua espera, pronto para confortá-la com minhas palavras mais “brigadeirescas” e anestesiá-la com um abraço sem pressa alguma, que vai demorar o tempo que precisar para perceber o que realmente importa.


Há vida fora desta telinha

Se vida fora da Terra? Até acho que sim, mas, por falta de evidências científicas, eu não posso lhe garantir. De uma coisa, porém, eu tenho certeza: existe muita vida – subaproveitada, por sinal – além deste retângulo luminoso em que agora me lê e, com o qual, você anda cada vez mais grudado, como se ele fosse essencial à sua sobrevivência. 


A diferença entre liberdade e solidão

“Com quem você foi?”, perguntam-me direto. E após minha resposta mais comum – “sozinho” -, olham-me com pena, como se eu fosse um vira-lata faminto e esquecido num sereno invernal. Mas eu não sou, viu? Que fique bem claro!


Você sabe o que fez

Eu sinto raiva de pernilongos, travesseiros altos, arroz com passas e da vizinha que canta ópera todo santo dia. Mas nada disso supera a raiva que me invade quando a minha namorada faz bico e, em vez de me contar o motivo – e me dar uma chance de retratação -, insiste em não dizer o porquê da careta e das respostas monossilábicas.


Tudo passa, menos a saudade

Já lavei as louças, tomei banho demorado, arrumei o armário, fiz bolo de banana, pesquisei sobre brigas felinas no Google, bebi com uns desconhecidos no boteco da esquina e li meio livro. Porém, de nada adiantou: a saudade não passou nem diminuiu. Continua firme e forte. Inabalável. O contrário de todo o resto que, graças ao efeito do tempo, murcha.


Uma pequena porção de ilusão

Sempre me orgulhei por ser um cara extremamente sincero, do tipo que sem muito pensar responde “não gostei” quando questionado sobre um novo corte de cabelo ou sapato. Hoje, porém, estou revendo a necessidade de ser ininterruptamente e totalmente sincero.


Dá pra fazer amor trepando

Que os apreciadores de sexo fofinho me perdoem, mas, para mim, na hora H não há espaço para “eu te amo” nem para chuva de pétalas ao som de Julio Iglesias. Aliás, tem coisa mais fodedora de clima do que uma porção de bem-me-quer atirada sobre o edredom?


Não espere até a próxima segunda feira

Em vez de esperar até a próxima segunda-feira, que tal mudar hoje? Por que esperar ano que vem se você pode começar ainda este ano? 

Chega de “amanhã eu começo” e outras prorrogações que vive a criar porque teme as dores do renascimento.


Não crie expectativas se não pode supri-las

E o conselho de hoje é… é… é… Não crie expectativas se não pode supri-las! Parece algo tão simples e óbvio, né? Parece, ô se parece, porém, após uma rápida conversa com algumas amigas, notei que o mundo está cheio de gente fazendo exatamente o contrário, ou seja, mentindo de um jeito que espalha esperanças onde não há ninguém capaz de supri-las e, consequentemente, distribuindo porções e mais porções de vales-frustração. 


Já que a vida é frágil…

Faz duas semanas que aconteceu o acidente com o Chapecoense. Pessoas que, até o instante do acidente, estavam cheias de planos e vontades. Gente que partiu sem se despedir de família, amigos e animais de estimação. Triste pra caralho, né? Muito. E também uma prova irrefutável do quão frágil é nosso bem mais valioso: a vida.