Vocês não precisam gostar das mesmas coisas

Mais importante que um casal que concorda sobre o filme para assistir, num domingo de chuva, diante do Netflix, é um casal que tem jeito parecido de levar a vida. Que tem caráter, ritmo e anseios semelhantes. Você pode ser um viciado em quadrinhos e ela ler Foucault no café, isso importa, claro, mas não tanto quanto a sintonia de vocês.


O amor da sua vida passou enquanto você mexia no celular

Ele deu um sorriso meio canto de boca quando ouviu a sua risada fora do tom, mas você nem viu. Era importante naquele momento atualizar o Instagram, o Facebook, o Whatsapp e o Twitter com a selfie que guardaria para sempre aquele momento único do que mesmo?


Essa é uma declaração de amor (sem prazo de validade)

Essa é uma declaração amor. É séria, não é mais uma não, nem palavras soltas, daquelas que inundam nossa timeline. É um posicionamento, acho, não sei se combina, talvez. Só para que saiba que eu topo. Topo fazer bate-volta para te ver, sempre que você quiser. E eu odeio bate-voltas. Mas vou amar ir te ver, então, tá tudo certo.


Cuide bem do seu amor (mesmo que ele seja passado)

Terminar um relacionamento exige muita maturidade. Talvez mais do que manter o cuidado com a parceria no dia a dia mesmo. É pegar uma pessoa que foi de extrema importância na nossa travessia, recuperar a chave de volta e dar adeus a um monte de coisa bacana que não mais vai poder ser vivida por aquele casal.


Se você precisa insistir demais, talvez não valha a pena

Tenho uma teoria boba, mas que costuma funcionar na hora de decidir se levarei ou não uma possibilidade de relacionamento à frente. Me pergunto quão disponível aquela pessoa tem estado pra mim. E quando eu falo disponibilidade, eu não falo apenas de tempo – até porque sei muito bem o que é ter uma agenda apertada e horários que não batem.


Um amor e dois gênios fortes

O coração nem sempre escolhe por quem se apaixona. O turbilhão todo simplesmente acontece e quando menos se espera já estamos com cara de bobo fantasiando sobre uma mensagem qualquer. Não dá para arquitetar uma lista de tudo de bom que gostaríamos de encontrar em alguém para estar ao nosso lado e ir fazendo o check list.


Discutir a relação é se importar

Na geração da praticidade e das mensagens instantâneas, “vamos discutir a relação” equivale a “vamos subir a escadaria do Bonfim de joelhos”.

Uma DR é sempre um sacrifício, um mal necessário – desnecessário, pra muita gente – o sinônimo mais óbvio de desgaste emocional. 


O amor não tem garantias

De todas as verdades adstringentes da vida, talvez seja essa a mais intragável: Você vai perder as pessoas.

Cedo ou tarde, de um jeito ou de outro, você perderá.


Sobre amor e inquietude

É difícil entender como um espírito jovial como o meu inventou de se encantar por alguém que já se conformou com o fato de que a vida é uma merda, mas seus olhos são uma pista: seria estranho se, quando eles demorassem em mim, eu não sentisse nada. 


Para de dizer que não foi amor

Tu vira pra tua amiga do rolê e diz pra ela que já esqueceu. Sente nada. Saudades foram na mala com ele. Tu nem se importa mais com ele.

Tu vira pro teu amigo no barzinho e diz que já nem guarda mais a foto dela na tua carteira.


De perto ninguém é perfeito

Amor é um daqueles sentimentos que deixa a gente meio bobo mesmo. Tudo é lindo, tudo é perfeito, tudo é o melhor que poderia ser. A priori não existe nada de errado nisso, quando estamos apaixonados é normal que os olhos brilhem um pouquinho além pela pessoa que escolhemos para estar ao lado.


Vinho & fondue ou Cheetos & Fanta uva: o que importa é você do meu lado

A vida financeira de um casal pode ser uma questão bastante polêmica se não for bem debatida. Já vi relacionamentos serem fundamentados na base do dinheiro e já vi amores lindos sendo desfeitos por causa dele.


Você sabe o que fez

Eu sinto raiva de pernilongos, travesseiros altos, arroz com passas e da vizinha que canta ópera todo santo dia. Mas nada disso supera a raiva que me invade quando a minha namorada faz bico e, em vez de me contar o motivo – e me dar uma chance de retratação -, insiste em não dizer o porquê da careta e das respostas monossilábicas.


Tudo passa, menos a saudade

Já lavei as louças, tomei banho demorado, arrumei o armário, fiz bolo de banana, pesquisei sobre brigas felinas no Google, bebi com uns desconhecidos no boteco da esquina e li meio livro. Porém, de nada adiantou: a saudade não passou nem diminuiu. Continua firme e forte. Inabalável. O contrário de todo o resto que, graças ao efeito do tempo, murcha.