Memórias de um bêbado: sobre a vida sem você

Sábado à noite abro o armário e escolho a melhor roupa. Aquela que propositalmente passará a mensagem que quero. A que me deixará mais bonito, sem ser inatingível. A que me deixará gostoso, sem parecer fútil. A que me trará uma felicidade momentânea, um aconchego ao ego, mesmo que a única roupa com a qual eu gostaria de estar


Porque amor se faz com admiração

Talvez você nem saiba, ou, por excesso de modéstia, não queira admitir, mas com certeza é uma verdadeira guerreira, do tipo que deixa muito marmanjo metido a valentão no chinelo. Do tipo que, mesmo sem ter “orelha de couve-flor”, merece respeito pelo tanto que luta.


Ode aos amores breves

Aponte-me alguém que diz não querer ser amado e terá encontrado um péssimo mentiroso. Ainda que a vida não se resuma – ainda bem! – a encontrar e depender de alguém, amor é fundamental – especialmente se estivermos falando daquele amor que mistura amizade, companheirismo, diversão e (muito) sexo. Ainda que pareça simples amar e ser amado,


Segura minha mão

Não sei viver de meias verdades. Para mim, não existe essa de copo meio cheio ou meio vazio. Sou do tipo de homem que levo a minha vida sempre como um copo cheio e, se quiser caminhar ao meu lado, que seja para fazer esse copo transbordar.

Se quiser vir comigo, me dê a mão e faremos do que há depois do horizonte o nosso limite.


Não quero um amor meia-boca

Não quero um amor para, finalmente, conseguir mudar o meu status de relacionamento do Facebook. Aliás, se quer mesmo saber, prefiro alguém que não esteja nem aí para uma exposição desnecessária dessas. Quero alguém que se contente, sem bater os pés, com um sincero e respeitoso pacto privado,


Amar em Paris é fácil. Difícil é amar sábado à noite em casa.

Amar alguém apenas nos bons momentos é fácil. Quem não amaria em Paris, às margens do Rio Sena, com a luz do luar iluminando olhares apaixonados? Difícil é amar no arroz com feijão diário, com as contas de luz, telefone e do cartão de crédito em cima da mesa.


Nem românticos, nem cafajestes: fragmentos do que as mulheres querem de verdade

Não vou guardar pro final. Vou começar o texto respondendo à pergunta: NÃO. Não gostamos dos fofinhos, romanticozinhos, legaizinhos e tão inhos que nos


Sorte do dia: achar uma “mulher-livro” em meio à tanta “mulher-fruta”

Como todos sabem, frutas têm prazo de validade. Seja maçã, melão, morangos ou melancias, o fato é que existe a estação exata para a safra e para a entressafra. Vivemos, num passado recente, um boom de frutas personificadas e seus atributos físicos capazes de deixar


Ela é sempre primavera

Quando começa um dia? No primeiro minuto após as doze badaladas? Quando o sol nasce? Quando você acorda? Bem, o meu dia começa quando ela aparece. Pode ser às quatro da tarde ou às dez da noite, não importa. Um dia sem notícias dela é um dia em vão, nulo, esquecido e apagado. Demora como uma eternidade.

Nos dias de sol ela parece ter oito anos.


Eu sou seu, do jeito que você quiser

para ler ouvindo “I’m Your Man”, do Leonard Cohen

Foi assim, por um instante. Eu pensava nos seus olhos e elaborei um plano: “o que eu posso fazer pra colocar dentro da cabeça dessa mulher o quanto eu gosto dela?”.