Seu passado não te define

Ele ajudou a construir a pessoa que você é, te trouxe até aqui e moldou cada detalhe mais fodido da sua personalidade. Mas ele não pode definir você, não pode aprisionar seu brilho ou te transformar num refém. Passado tem que ficar no passado, você precisa achar um outro caminho para seguir.


Sexo é uma questão dialógica

Sexo sem conexão – pra que fazer?

Em um país de tanta pornografia institucionalizada escancarada nas telas do cotidiano, o sexo é que ainda é considerado sacanagem.

As pessoas não conversam sobre sexo: vão fazendo, como um aluno de humanas na aula de matemática. Vão vendo no que dá.


Eu estou me escolhendo agora

No fim do dia, quero estar com os pés sujos, o cabelo bagunçado, os olhos brilhando e o coração completamente cheio. Eu quero ser alguém que traz luzes e cores para os caminhos que passa. Que espalha coisas boas e não se deixa levar pelo amargo dos dias difíceis.


No final desse filme a gente morre

E aquela briga de ontem a noite não vai ter tanta importância assim. Nem aquela crise de ciúmes boba, a cobrança desnecessária, muito menos o motivo insignificante que fez com que cada um virasse para o seu lado da cama na madrugada passada. Sozinho.


Já viu o nude da Anne Hathaway?

Para mim, as mulheres mais sexys do mundo são: Cleo Pires, Rihanna, Anne Hathaway e Scarlett Johansson. E também a Adriana Lima. E também a Stoya (atriz pornô). E também… Ah, são várias! Digo isso porque, na semana passada, uma delas – a Anne Hathaway – teve fotos íntimas hackeadas. E adivinha só se eu vi? Errou feio se respondeu que sim.


Gratidão é essencial, mas já experimentou soltar um palavrão?

“Reclame menos e agradeça mais”, um amigo que adora dar uma de guru me aconselhou um dia, depois de me ouvir metendo o cacete em tudo, igualzinho àqueles velhos ranzinzas que xingam até a chuva, coitada, que às vezes vem do nada.


A verdade sobre a vida

Acordei decidido a escrever um texto doce feito quindim, desses que causam tempestades de curtidas e coraçõezinhos e fazem a vida, ao menos por alguns parágrafos, ficar mais parecida com aquela dos contos de fada. Logo desisti, porém. Mesmo sabendo que a realidade, quando escancarada, quase nunca é compartilhada – o povo gosta mesmo é de happy ending, de preferência com chuva de arroz -, eu me sinto obrigado a expor a verdade, doa a quem doer: a vida muitas vezes é um limão difícil de engolir, de provocar caretas e encher os olhos de lágrimas.


Sexo não é sacanagem

Tenho postado contos eróticos do meu novo livro e o resultado tem me surpreendido. Mais do que isso: tem me feito refletir bastante. Explico: diferente dos contos sem sexo, os “safadônicos” quase não são compartilhados e recebem pouquíssimas interações. No entanto, ao analisar o número de visualizações dos textos adultos, notei que estão sendo lidos mais vezes do que os sem trepadas e lambidas íntimas. Curioso, né?


O óbvio precisa ser dito

Ninguém tem a obrigação de imaginar o que está se passando na sua mente.  X-men não é vida real e , acredite, nem todos fazem telepatia como o professor Xavier. Então,  por mais que algo pareça óbvio para você, é mais seguro dizer o que pensa e deixar tudo às claras.


O que você ganha quando aprende a ouvir as pessoas

A geração das selfies, dos tebetês e do Sarahah. Com não está muito habituada a ouvir as pessoas. No máximo, esperamos o outro terminar de falar para, prontamente, emitirmos uma opinião (quando esperamos).


Você precisa entender que amigos mudam

Eles mudam, você muda e tudo se transforma ao redor. E isso é mais normal que “andar pra frente”! Desculpa aí pelo clichê, mas é, e pronto.  Pessoas se reinventam, descobrem coisas novas sobre si, amadurecem e adquirem hábitos diferentes, o tempo todo. E aqueles que amamos, assim como nós, não estão imunes.


Carta de um gato sobre a humanidade

Nossos servos humanos de fato não fazem ideia do que estão fazendo. Não sabem, em primeiro lugar, que nós não somos obrigados a comer ração seca todos os dias e que nem sempre nossas barrigas estão disponíveis para carinhos.


Segunda-feira não tem culpa de você odiar seu trabalho

Relógio despertando às seis, você tem vinte e tantos anos, ansiedade e começo de ulcera nervosa. É segunda de manhã e está revirando na cama, pensando em desculpas para faltar o expediente. Mas o boleto do cartão de crédito está em cima da mesa e a energia no limite de ser cortada. Você é adulto e é isso que adultos fazem, trabalham  para sobreviver, comprar coisas e tirar férias final do ano.