• 3 piores conselhos pós-termino que você poderia dar
  • 3 piores conselhos pós-termino que você poderia dar


    Não sou do tipo que pede conselhos, nunca fui. Costumo tentar ao máximo resolver meus problemas sozinho, como naquelas provas do ensino médio que o professor escrevia “responda utilizando apenas seus conhecimentos”. Para mim a vida é uma prova sem consulta! Mas sempre tem os bem intencionados que tentam te passar cola mesmo sem você pedir, e aí o professor te pega e você está com zero. Quando o assunto é conselhos sobre o que fazer depois de um término, pode apostar que tirei zero sem querer muitas vezes. A base do problema está em pensar que todo mundo consegue agir como você agiria, ou que seus problemas são idênticos aos de outras pessoas. Abaixo vou enumerar as três piores “dicas” que me deram pós-término e que eu deveria ter recusado educadamente, mas acabei aceitando.

    1- “Sai pegando todo mundo pra desencanar!”

    Vamos começar do menos pior, apesar de bem ruim. Caí nessa duas vezes. Nas duas consegui exatamente o mesmo resultado. O período pós-termino com alguém que você realmente gostava/gosta é muito sensível, tudo fica à flor da pele e qualquer emoção é uma explosão. É uma negação, você finge que está bem, que vai se jogar no mundão, que está livre e pronto para novas experiências incríveis, mas uma semana depois você já não fala com nenhuma daquelas pessoas com quem ficou e tudo o que deseja é ficar em casa pra sempre. Acontece que beijar pessoas pensando em outra só piora o problema, é como uma ilusão de minuto, que é ótima enquanto está acontecendo e péssima quando acaba. Fazer sexo com uma pessoa gostando de outra então, é como efeito de droga antiga, que passa assim que você terminou de consumir. Nunca na vida pegar um monte de gente me ajudou a me reerguer e também não conheci ninguém que se “curou” da fossa assim.

    2- “O negócio é se apaixonar de novo!”

    Também já acreditei nessa, claro, até porque ela vem fantasiada de boa intenção, de “busca do amor verdadeiro” e sempre aparecem frases motivadoras como “tem alguém lá fora que é pra você, só basta achar” e eu ia, feliz e confiante, pra me foder mais uma vez. Se apaixonar à força não dá muito certo porque não é leve, não é natural e nem intenso como deveria ser. Já me iludi muito mentindo para mim mesmo, tentando me convencer de que gostava de gente que não me despertava sentimento algum. Ao mesmo tempo, iludi muita gente que acreditou na minha mentira, se deixou envolver e no fim percebeu que era só um remédio temporário para o meu coração partido. Se apaixonar de novo realmente pode te salvar do sofrimento de um término, desde que seja natural e espontâneo. Forçar a barra não funciona e ainda atrapalha a vida de outras pessoas.

    3- “Ela era péssima, foi melhor assim!”

    Para mim essa é a pior de todas as “boas intenções”. Gente que tenta te convencer de que a pessoa por quem você se apaixonou, amou e se relacionou por meses e até anos não sabe o estrago que está fazendo. Se a pessoa fosse realmente ruim a gente nem começava o relacionamento, não é mesmo? Todo mundo que a gente escolhe pra passar um tempo na nossa vida tem algo bom e valioso para acrescentar. Mas quando você está no fundo do poço por causa de um término o que você menos precisa é nutrir sentimentos ainda mais negativos a respeito do seu ex-relacionamento. Nunca tente convencer uma pessoa de que alguém não valia nada e que foi melhor assim! Dá a impressão de que estamos fazendo um favor, mas na verdade só estamos alimentando sentimentos ainda mais negativos e destrutivos que não ajudam ninguém a sair do buraco.

    Mas então, afinal, qual é o bom conselho pós-termino? Na minha opinião o amigo com o melhor conselho é aquele que não dá conselho algum. Se recuperar de um rompimento é muito mais fácil quando temos tempo de assimilar nossos sentimentos, aprender a lidar com eles e contar com pessoas positivas ao nosso redor. Você pode sair com seus amigos, fazer coisas que você gosta de fazer e ocupar sua cabeça com atividades e pensamentos bons. Nunca é fácil terminar, mas sofrer horrores depois depende de como você vai encarar a situação e lidar com ela. Não adianta fingir que está tudo bem e sofrer sorrindo. Se dê tempo para curtir a fossa, chore o quanto tiver de chorar, sinta falta, mas mantenha a vida caminhando para frente de forma positiva. Esse é o caminho ;)

    ass-post-daniel-1


    " Todos os nossos conteúdos do site Casal Sem Vergonha são protegidos por copyright, o que significa que nenhum texto pode ser usado sem a permissão expressa dos criadores do site, mesmo citando a fonte. "