• Pra onde a Obsessão por  Peitos e Bundas Está nos Levando
  • Pra onde a Obsessão por


    Peitos e Bundas Está nos Levando


    Recentemente ouvi de um amigo uma história que me fez pensar. Ele é a tradução da figura do pegador – bonito, forte, da balada, com grana. Apesar das superficialidades, uma pessoa do bem. Andava buscando incansavelmente uma mulher pra chamar de sua, pois havia cansado de ter todas, mas nenhuma ao mesmo tempo. Encontrou uma moça daquelas que até Deus duvida – linda, gostosa, inteligente, bom papo, carinhosa, boa de cama. Apaixonou-se. Gritou aos quatro cantos que quem acredita sempre alcança, começou a fazer planos pro futuro, passou a dizer que a vida de balada era coisa do passado. Certo dia, na marca de uns três meses de relacionamento, ele resolveu fazer uma surpresa para a amada – saiu mais cedo do trabalho, levou flores, vinho, chocolate e seu coração aberto. Chegou, deu um xaveco no porteiro, subiu sem avisar. Se deparou com ela em trajes micro, em meio a um boquete empolgadíssimo em um estranho. Depois de crises, de acessos de raiva, e da ficha caída, ela explicou – era garota de programa. Precisava dessa grana, por isso tinha feito essa escolha. Ele disse que não podia ser. Que a bancaria, que a tiraria dessa vida – ela retrucou com a frieza de quem sabe o que quer – “Não sirvo pra isso. Esse é meu caminho” – deu meia volta e se foi, deixando-o com o coração arrebentado e com meia dúzia de chocolates no bolso.

    Essa história – cruel, porém real – me fez pensar no que tem acontecido com a nossa geração. Somos como crianças que, até tempos atrás não podíamos roubar o brigadeiro da mesa e que, momentos depois, somos presenteados com todos os tipos e sabores de brigadeiro do mundo. Comemos tanto, que ficamos com dor de barriga. Temos tantas opções, e não temos ideia do que fazer com elas. E aí nos direcionados pela embalagem – a mais bonita, a mais colorida, a mais chamativa. O profundo que conhecemos ficou limitado à profundidade do órgão genital. Já que temos uma dificuldade extrema em chegar ao íntimo do outro, escolhemos bundas em vez do cérebro. Peitos em vez da atitude. Uma cinturinha em vez do caráter.

    E aí não é de se espantar que estejamos quebrando tanto a cara. No caso da história do amigo do começo do texto, me pergunto – o que será que ele viu na moça? Será que ele procurou o íntimo ou se apaixonou pelas coxas, pelo rebolado, pelo boquete perfeito? Esse raciocínio nos leva a conclusão de que estamos escolhendo errado e que as nossas escolhas estão nos transformando em uma população de solteiros infelizes que gritam aos quatro cantos que não há gente legal no mundo. Numa coluna na época, Gisele Campos faz uma análise simples e certeira desse fenômeno: “Os homens dizem que falta mulher. As mulheres dizem que falta homem. Se não tem homem e não tem mulher, então onde está todo mundo? Quem são essas pessoas que a gente vê pela rua todos os dias?”

    Talvez precisemos mesmo aprender na marra a lidar com tanta liberdade, e parar de levar a vida como o adolescente que tem pais liberais, e que abusa dessa mordomia para sair causando. Somos seres inteligentes e não podemos mais desperdiçar a oportunidade de fazer boas escolhas. A liberdade que a nossa geração possui hoje, permite que possamos conhecer diversas pessoas e escolher aquela que se encaixa com você. Porque, por mais que você se gabe de ser o pegador que come todas, o desejo de todo ser humano é encontrar e ser encontrado. Precisamos aproveitar a oportunidade e, estrategicamente, analisar as pessoas em quesitos muito mais importantes do que tamanho de bunda e de peito. Corpos envelhecem, a gravidade destrói, a gente enjoa. Se não fizermos algo a respeito, já consigo imaginar um futuro no qual as próximas gerações, traumatizadas pelos excessos e pelas cagadas colecionadas, irão querer voltar aos moldes antigos e implorar pela chance de uma tarde namorando no sofá, com mãos dadas, debaixo dos olhos do sogro. Tudo para evitar que os prazeres da luxúria e da superficialidade falem mais alto e estraguem tudo. Mais uma vez.

    Para fins de direito de imagem, a foto usada não é de minha autoria e o autor não foi identificado.

     


    " Todos os nossos conteúdos do site Casal Sem Vergonha são protegidos por copyright, o que significa que nenhum texto pode ser usado sem a permissão expressa dos criadores do site, mesmo citando a fonte. "